Resenhas, Séries

ELITE: temporada 03 – O que teve?

O Omar com a bandeja ali no canto é TUDO pra mim

Importante: esse texto não contém spoiler, Até gostaria, mas você é um mimado do caramba, então escrevi sem.

Minha filha, você me pergunta o que teve? Teve morte!! Morte!

Chegando ao terceiro ciclo (kk) da nossa novelinha hot preferida, é preciso fazer um breve recap das temporadas anteriores. Na verdade, é bem rápido:

Temporada 01: Morre a doidinha lá, todos querem saber quem matou.

Temporada 02: Linchamento social de quem matou + trama paralela absolutamente inútil com o sumiço do palhaço do Samu.

Temporada 03 (nova!): MAIS linchamento social de quem matou e MAIS uma morte.

Ah, porque você achou que ia aproveitar os episódios inéditos para desanuviar um pouco e pegar ideias de looks, né? E vamos de enredo sombrio nessa temporada nova!

Tal qual Lucrécia, tudo o que sei fazer na vida é ser bonita e chorar

Assim como o brasileiro médio fazendo yoga na sala e reutilizando como pode o arroz do almoço, o povo de Elite não sabe mais o que é ter uma alegria sincera que seja relacionada a uma esperança para o futuro. Não sabe. Tudo é incerto, sombrio e triste nesta nova temporada da série.

É tanto crime, tanta briga, tanta guerra, que você assiste de coração pesado. Parece até que está vendo aqueles dramas da HBO, sabe? Nesta terceira temporada, nossos heróis mergulham fundo em suas tragédias pessoais e na decepção compartilhada. Todo mundo briga com todo mundo, os namoros são falsos, existe o Perigo das Drogas, o sexo é horrível, uma pessoa adoece, as festas sempre acabam em conflitos armados aleatórios e não existe um motivo sequer para sorrir.

Parece ou não parece o Brasil?

E é estranho, porque Elite tem esse DNA (kk o que eu tô falando?) de ser aquela série que te diverte pelos seus perigos, e não que te entristece por conta deles. No entanto, é de se imaginar que após duas temporadas construindo esse cenário caótico, a conclusão dele se dê, sim, neste vale de lágrimas em que o telespectador é jogado sem aviso.

Se trata, sim, de um fim. Ao final dessa temporada, sabemos que vários personagens-chave estão se despedindo da trama (afinal, se formaram e não há motivos para continuarem na história, que se dá principalmente no colégio). Então, esse fechamento vem com um gosto agridoce, que permeia todas as ações e torna o drama tão real que é quase palpável. Até o Crime (O Assassinato) dessa temporada parece uma despedida do mundo de Elite como o conhecíamos. Um sepultamento daquela ilusão que vivemos.

A tragédia que vem para renovar a vida. O sacrifício a ser feito para seguir em frente.

Se é que me entendes.

O Brasil hoje.

Amiga, você lembra quando assistia Elite pra ver gente de 27 anos dizendo que tinha 15 e se pegando? Você lembra as cenas? Amiga, tudo isso acabou! Nessa temporada, todas as interações sexuais (risos) são dignas de pena, consternação ou espanto. E faz todo o sentido, pois não tem clima pra sexo se o mundo tá desabando!

Eu repito: parece ou não parece o Brasil?

Os personagens novos são “ok” apenas, não chegam a atrapalhar. Temos uma evolução incrível do personagem da Lucrécia e mesmo Rebeca tem a sua chance de brilhar. Para mim, porém, o melhor personagem desta temporada é mesmo o Polo. Confesso que ele nunca foi dos meus favoritos, mas essa season nova foi toda dele e Alvaro Rico soube carregar muito bem todo o drama dos conflitos internos de seu personagem sem parecer (muito) apenas um dramalhão latino.

A Emmy tape jogada NO LIXO, pois nem Emmy vai ter mais nessa situação que se encontra o mundo

Voltando ao ponto de que esse é um encerramento: sim, é um encerramento. A trama faz seu full circle, mata uns, injustiça outros, conserta este ou aquele relacionamento e, por fim, nos deixa ali na beira da estrada, sozinhos.

E por mais que doa encerrar ciclos e nos despedir de personagens queridos, acredito que seja necessário. Pelo bem da série e da nossa saúde mental, não dá para imaginar mais uma temporada de Elite estendendo essa sangria desatada e essa fórmula cansada de alguém morto, alguém em conflito, alguém doente, Guzman merendando todos na porrada. Chega! Basta! Lembrem-se que este é um conteúdo jovem de entretenimento, não um documentário sobre a economia mundial na Grande Depressão. Pois embora a gente saiba que Elite não é só fun & games, a gente espera, sim, alguma diversão. Foi para isso que a gente começou a assistir, para início de conversa. A trama hoje não tem mais escape nesse sentido, todos os personagens foram devastados e traumatizados de tal forma que não tem festa na boate lá favorita deles que dê jeito nisso.

Então… Honestamente, gostei dessa temporada, mas estou ansiosa pela próxima, com novos personagens e o que de interessante os roteiristas podem trazer dentro dessas possibilidades. Serei eternamente grata à todos do elenco já eliminados da trama, Deus sabe quanta alegria eles me deram, mas vamos olhar para frente, por favor?

A gente precisa, e fico feliz em saber que uma das minhas séries favoritas pode fazer isso por mim.

E chega de morte, pelo amor de Deus!

Em tempo: também falei sobre Elite (a segunda temporada) aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s