Brain Dump*

Imagina, não precisa

Photo by Bruce Christianson on Unsplash

Nunca tinha sonhado com meu primo até que ele morresse, assim como nunca tinha passado um tempo tão grande presa em casa de modo que cada sonho meu, onde ando por lugares, frequento bares, vejo a rua mais de perto, parecesse uma idealização dolorosa da vida que estou deixando de viver. Também é fácil, é claro, se comprazer com a morte abrupta e injusta de uma pessoa de trinta e poucos anos de idade e fazer dessa morte um bom ponto de referência pessoal de toda a vida que deixou de ser vivida.

Quero fazer desse texto o menos triste possível, dentro do que posso. Também quero falar o menos possível dos sonhos em si, porque, você vai concordar comigo, a única pessoa que liga para os nossos sonhos é a gente mesmo. E eu digo isso em todos os sentidos, e você entende isso em todos os sentidos e pelo menos nisso, concordamos. Em conversas de escritório, papos furados em mesas de bar, falar “sonhei um negócio engraçado” é sempre a chave para fazer a mente do seu interlocutor voar, e nunca da maneira que você acha que ela está voando.

Sempre que sonho com meu primo, estamos em alguma aventura. Alguma coisa inesperada, drinks diferentes, passeios de carro. Ele me diz algo muito interessante que esqueço assim que acordo, mas fica aquele peso de que, por alguns instantes, eu soube uma boa solução para algo que, acordada, não vejo como problema. Navegando pelo duro ano de 2020, tudo parece um problema, mas eles vão se apequenando conforme olhamos o cenário completo. O problema é que olhar o cenário completo também é um problema daqueles, então só resta você em posição fetal sentindo dores e se sentindo culpado por senti-las.

Mas eu falava do sonho, ainda que tenha dito que falaria pouco dele. Estamos em um bar com um cardápio maluco, cada drink custa caro e vem muito pouco na taça, o que já entendemos como um indício do forte teor alcoólico dessas bebidas. Nos sentamos à mesa e percebo que estamos sem máscaras, o que me sinto inibida de questionar, já que meu primo já está morto mesmo. Ele não parece se preocupar, quem sabe eu devesse me preocupar, mas fica tudo um pouco invertido em nossas prioridades ao beber em um bar com um defunto.

Não lembro de uma frase sequer que trocamos, porém olhando agora o calendário, vejo que hoje faz exatos dois anos da sua morte, então era uma celebração? Foi uma celebração, nós brindamos. Isso eu lembro. Assim como lembro que, no sonho, assim que saímos desse bar, andamos de carro pela Paulista, o que nunca fizemos, e era um dia lindo de Sol.

Um dia tão lindo de Sol como esse que me recebeu hoje de manhã, assim que acordei.

Momentos felizes parecem borrados ultimamente. A indulgência faz você comer o seu sorvete favorito no intervalo do almoço, então como fazer de um momento no sofá vendo série algo especial? Estou há semanas presa nas mesmas reprises, sem forças para começar algo novo. Os projetos de quarentena são todos diluídos em momentos isolados de euforia.

Porém, como disse, não posso reclamar. Está tudo bem, dentro do possível. Mais do que bem. Revisando meu diário, notei que junho foi o mês mais feliz desse ano, para mim. Vários motivos, e olha que o cenário não é nada fácil. Então, sem lágrimas.

Mas quis contar isso. Do sonho. De como nossa mente acha jeitos de voar por aí, ainda que conscientemente a gente acene constrangido dizendo “imagina, eu estou bem, não precisa!”. Bom, quem sabe precise.

Eu sou feliz, eu estou bem. De verdade mesmo. No entanto, contudo, toda vida, foi bom voar por aí.

É bom poder voar por aí, e a gente sempre encontra os nossos próprios meios.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s