Contos

Sonhos não envelhecem: a história de Lilica Rocambole

A jovem adulta Lilica Rocambole com seus três gatinhos

Lilica Rocambole chegou em Willow Creek com apenas uma ambição: constituir família e ser a orgulhosa mãe de um universitário. Um sonho tradicionalista, alguns diriam, mas ela não se importava com a opinião alheia. Bonita e possuidora de uma vultuosa soma em dinheiro proveniente de meios escusos, alcance financeiro estava longe de ser um problema. Adquiriu um sobrado moderno e colorido nas cercanias de Foundry Cove, já mobiliado, e deu início ao seu plano de vida.

Apenas para ocupar seu tempo e para ter uma base sólida na criação do seu sonhado filho, Lilica entrou para o setor da educação, começando em um cargo menor em uma escola. Seu progresso foi rápido e logo as promoções vieram, a colocando como uma figura do alto escalão do setor educacional.

Com dinheiro, uma boa profissão e um objetivo claro, logo Lilica se deu conta de que faltava apenas mais um passo para dar início oficial ao seu projeto de vida. Ela precisava se casar. No mínimo. Frequentando a vida noturna de Brindleton Bay, cidade próxima, no bar Patas Salgadas ela conheceu Danilo. Foi paixão mútua e à primeira vista. Ele era um cara bonito, simpático, devorador de livros e entusiasta da vida ao ar livre. Eles riam muito juntos e ela sempre conseguia convencê-lo a doar seu tempo. Eram, em todas as instâncias, o casal perfeito.

O namoro se desenrolou de maneira natural e logo eles estavam casados, mesmo sendo tão jovens. Em alguns momentos, Lilica se perguntava se devia “se amarrar” tão cedo, mas olhando para Danilo, ele era tudo o que ela esperava em um homem digno de assumir a posição de marido e pai de seu filho. Então, por que esperar?

Ainda aproveitaram muito a vida de recém-casados, até chegarem à vida adulta. Deram festas, tiveram encontros, fizeram oba-oba no chuveiro e foram à museus, parques e casas noturnas. Adotaram um gato, o arisco Eltinho. Danilo tinha temperamento um pouco explosivo, ficava furioso sem motivo, mas compensava cuidando bem da casa e de Lilica. Com alma de artista, e seguro pela boa condição financeira da esposa, optou por não trabalhar e assim se dedicar ao lar. Fez uma horta no quintal, onde tentava todo tipo de experimentação hortifrutigranjeira. Aprendeu a pescar e a pintar.

O primeiro quadro de boa qualidade que Danilo pintou foi de Lilica, já grávida do primeiro filho deles. A gravidez foi totalmente planejada. Lilica continuou a trabalhar, pois acreditava que ter uma mãe professora seria um bom exemplo para o filho vindouro. Supersticiosa, dançou muita música alternativa na sala de casa e comeu muitas cenouras plantadas por Danilo como simpatia para que da gravidez viesse um menino.

E deu certo. Entre o tempo de uma colheita e outra da hortinha, e depois de adotarem mais dois gatos, a calada Lady Gaga e a falante Taytay, nascia o tão esperado filho de Lilica, Guilherme.

Guilherme foi um bebê grudento e uma criança genial. Desde pequeno, foi ensinado a focar nos estudos e priorizar a escola à diversão. Ficou entre os melhores alunos diversas vezes, sempre com as tarefas em dia e apresentando com louvor seus trabalhos extra disciplinares. Em um passeio com o pai no Parque Pedra do Filhote, em Brindleton Bay, conheceu outras crianças, entre elas Sérgio e Francisco. Francisco era maligno e só tratava mal Guilherme, então a amizade não progrediu. Já Sérgio tinha um temperamento mais amigável e se entusiasmava com todos os interesses de Guilherme, no que a amizade infantil se estabeleceu de imediato.

O Parque Pedra do Filhote

A vida de Lilica Rocambole parecia perfeita e dentro dos planos, com sua numerosa família contendo marido, um filho e três gatos. Vivendo só do trabalho para casa e se esforçando ao máximo para sempre ler para Guilherme antes do pequeno dormir, Lilica sentia que a vida podia ser como sempre sonhou. Mas também descobriu, da pior forma, que um sonho pode ter muitas nuances e nem todas contemplam suas verdades mais íntimas.

Ou como diriam em linguagem coloquial, quem procura, acha. A despeito dos planos perfeitos e todas as chances para realiza-los, a vida de Lilica começou a desandar. Tudo ruiu em um momento distinto, que ela poderia apontar com clareza para quem quisesse saber, como tantas vezes desabafou posteriormente com a melhor amiga Laura Caixão. Pois, a partir daquele ponto, foi como se uma sombra se colocasse na mansão dos Rocambole, tingindo tudo de mágoa e desesperança.

O que aconteceu foi que em uma tarde de domingo, em uma das muitas festas dadas na Mansão Rocambole, descendo as escadas, Danilo flagrou sua esposa Lilica beijando Summer Holiday, a vizinha da casa ao lado.

O choque foi enorme, e o temperamento explosivo de Danilo não ajudou. A relação de Danilo e Lilica se rompeu ali. A família desmoronou ali. Embora continuassem casados, não havia meios para a reconciliação. Obviamente, não ajudaria muito também se Lilica soubesse que, minutos antes de ser pega beijando a vizinha, essa mesma vizinha estava no andar superior dando ideia em Danilo, a ponto de eles quase irem para a cama juntos — só não foram porque Danilo sentiu um impulso irresistível de jogar pingue-pongue e perdeu o foco no colóquio amoroso.

Mas Lilica jamais saberia disso, uma visão ampla de narrador que se perde para o personagem e seu foco isolado. Lilica se culparia pelo resto da vida por aquele beijo em Summer, acreditando que foi o que destruiu seu casamento e que a culpa era só sua. Sempre se culparia e se perguntaria o que deu nela, sempre tão certinha, para ter tomado uma atitude daquela. Tédio? Curiosidade? Quem sabe a culpa fosse toda da Summer, a vizinha saída de um soft porn duvidoso do Multishow? É leviano demais tentar cravar apenas um desses fatores como o único responsável. Provável que tenha sido uma combinação de todos, e mais alguns que nem mesmo Lilica seria capaz de confessar. Fato é que a partir dali o casamento em si acabou e o relacionamento entre Lilica e Danilo se manteve apenas por conta das aparências e por Guilherme.

Após muitas fugas e doenças misteriosas como Boca de Pântano e Febre Gelada, o gatinho Eltinho faleceu. Foi mais um baque para a família e, já adolescente, Guilherme fortaleceu sua amizade com Sérgio. Descobriram novos interesses em comum e, nessa fase difícil, a personalidade pacífica do amigo ajudou Guilherme a superar o lar conflituoso e enlutado.

Um dia, em um passeio junto com Lilica pelo museu Descobertas em Grama Morta, outra atração turística de Brindleton Bay, Guilherme e Sérgio se beijaram pela primeira vez.

Guilherme ficou em êxtase, era o seu primeiro beijo e sua primeira paixão. Até então nunca pensara em sua orientação sexual, só sabia que gostava de Sérgio, sempre gostou. Prático como a mãe, traçou planos de vida incluindo um namoro com seu amigo de infância, como se fosse coisa do destino, feito para durar. Era um golpe de sorte em uma maré ruim, acreditou.

No dia seguinte, Sérgio quis ir para a casa de Guilherme depois da aula, no que o filho de Lilica entendeu como um sinal óbvio: seria o momento certo de pedir o loiro oxigenado em namoro, entre um beijo e outro.

Porém, chegando em casa, Sérgio já foi direto usar o computador. Como Guilherme estava com muita fome, pegou um prato de salmão grelhado que o pai fizera e deixou passar a grosseria, puxando conversas aleatórias. A tudo Sérgio reagia com hostilidade, o que foi minando a relação dos dois. Desesperado, Guilherme apelou para elogios e exortações positivas, mas não teve jeito. A briga verbal fatalmente veio e deixou explícito que o que acontecera no museu tinha sido no máximo um erro e no mínimo um evento que jamais se repetiria. Sérgio foi embora sem olhar para trás.

Naquela noite, Guilherme acordou chorando e subiu as escadas até o quarto da mãe para pedir um conselho: era verdade que ninguém no mundo gostava dele? Lilica abraçou o filho e afirmou que ele era muito amado, sim, bastava olhar à sua volta. Ser mãe também era isso.

Naquele ponto, Lilica e Danilo já eram idosos. Lilica saiu do emprego, buscando na aposentadoria um descanso depois de tantos anos de dedicação profissional. Sua relação com o marido Danilo estava mais amigável e eles até conseguiam rir e conversar sem brigas. Enquanto Guilherme estava no colégio, os dois passavam a tarde juntos cuidando da horta, assistindo à comédias ou jogando xadrez. Mas eles nunca mais voltaram a ter interações românticas, sejam avulsas ou um com o outro. Isso tinha ficado no passado, um toque amargo adicionado à história doce que Lilica um dia sonhou.

Grande e único foco da família, Guilherme corria para ser o melhor no Ensino Médio como tinha sido no Fundamental. Se esforçava com as tarefas e o aprimoramento de habilidades como lógica, debate e pesquisa. Quando a gatinha Lady Gaga faleceu, nem teve tempo de ficar triste, estava ocupado demais pensando em seu futuro. Era só o que sua mãe pedia dele, por isso ele se esforçava ao máximo.

A casa agora era ocupada apenas por Guilherme, Danilo, Lilica e a já idosa Taytay. Guilherme sabia que a morte rondava seu lar, já havia recebido as notificações e sabia como era o jogo. Por isso, se inscreveu na universidade tão logo pôde. Queria que a mãe tivesse logo o orgulho de saber que seu plano de vida tinha dado certo de algum modo, afinal.

Não deu tempo, sendo o destino tão abrupto quanto previsível. Em uma manhã qualquer, a Morte visitou novamente a mansão dos Rocambole e dessa vez ceifou a vida de Lilica, assim que ela acordou. Quase dá para dizer que ela morreu dormindo. Danilo ainda tentou argumentar com a Morte, porém não teve conversa. Estava tudo escrito, sem chance de revogação. De todos os sonhos de Lilica, só restaram uma família desfeita e uma urna com suas cinzas, que foi colocada junto às outras, dos gatos, no quintal do terraço.

Guilherme estava na aula quando da tragédia e, ao chegar em casa, a notícia terrível tornou amarga uma outra notícia impactante, mas essa boa: sua inscrição na universidade tinha sido aprovada. O filho de Lilica finalmente seria um universitário, como ela tanto sonhou.

Lilica, no entanto, morreu sem saber disso.

Epílogo

Em seu alojamento em Foxbury, Guilherme estuda.

Ainda que com o clima péssimo, a vida precisava continuar e Danilo precisava cuidar de seu filho. Com o humor muito triste pesando o coração de ambos, fez um bolo branco, colocou as velas e foi celebrado o aniversário de Guilherme. Datas não esperam. Guilherme era agora um jovem adulto e pronto para ir para Universidade. Temia deixar o pai sozinho e sabia que esse não era o plano de sua mãe, abandonar o velho assim, mas era preciso em função de um objetivo maior. Sem mais esperar, o jovem fez as malas e partiu cursar Belas Artes no Instituto Foxbury.

Assim que chegou no alojamento, Guilherme escolheu seu quarto e colocou trancas nas portas para que ninguém mais entrasse. A tristeza, dizia o calendário, ainda duraria 40 dias. Disposto à honrar a memória da mãe, Guilherme tratou de fazer as tarefas diárias antes mesmo de começar a frequentar as aulas da universidade, o que ainda demoraria três dias. Estava na varanda do alojamento estudando quando recebeu o telefonema: seu pai, Danilo, havia falecido.

Desnorteado, Guilherme pensou que seria uma boa ideia voltar em casa e buscar Taytay, único ente familiar ainda vivo de seu lar desmoronado. Convidou Sérgio para acompanhá-lo nessa viagem — ainda que a relação estivesse estremecida no âmbito amoroso, continuavam amigos.

Chegando à mansão Rocambole, qual não foi a surpresa de Guilherme ao descobrir que o imóvel estava trancado, inacessível. Bateu à porta e não pôde entrar: ninguém mais morava lá. Com os pais falecidos e Guilherme morando no alojamento, a gatinha Taytay foi posta para adoção e a casa foi esvaziada à revelia do primogênito.

Guilherme se viu no meio da rua, sem absolutamente nada. Perdera os pais, os gatos, a casa, a herança da mãe e até sua primeira paixão, já que o tratamento de Sérgio mesmo ali era puramente de amizade.

Não havia mais nada a ser feito. Parado na frente da casa que um dia foi sua e contemplando toda a história que foi vivida para que ele chegasse até ali, Guilherme decidiu que viveria um dia de cada vez e todos eles com uma missão: honrar o sonho de sua mãe.

Assim, pegou o celular e chamou um carro para voltar ao alojamento. Sozinho. A aula começava em dois dias e ele ainda tinha muito o que fazer. Depois pensaria em imóveis, relacionamentos amorosos ou diversão. Precisava primeiro se formar, e sendo o melhor da turma. Essa era sua única prioridade e sua missão. Faria isso por sua mãe, Lilica Rocambole, e assim todos poderiam saber a mulher que ela tinha sido.

Gameplay ainda em curso, jogado no The Sims 4 com os pacotes de expansão Vida Universária e Gatos & Cães. A história de Guilherme ainda está sendo escrita.