Desafio Literário

Tema de abril no #DLdoTigre2018: “Que meu amigo mandou ler”

É hora de colocar as amizades para trabalhar!

Olá, pessoal!

Venho trazer as indicações de leitura para o tema de abril no Desafio Literário do Tigre 2018. Para esse mês, pensei em colocarmos pra jogo aquelas dicas literárias dos nossos amigos. O que acham?

Dentro desse tema, não existe limitação quanto à gênero literário ou densidade da obra. Tudo é válido!

Para facilitar na hora de escolher qual livro ler, a dica é puxar pela memória aquelas indicações que os amigos vivem fazendo, os livros que te emprestaram para ler e as publicações em redes sociais de conhecidos contando os livros que leram e amaram.

Nas minhas dicas a seguir, trago quatro títulos que meus amigos vivem mandando eu ler — e um que eu, como sua amiga pessoal, vou mandar você ler!

Todo mundo fala de Elena Ferrante desde 2015, eu não aguento mais! E ainda não li nada dela até hoje, acreditam? Ferrante traz romances sobre e para mulheres, escritos com uma sensibilidade que tem arrastado multidões por seus lançamentos. “A Amiga Genial” é o primeiro volume da Série Napolitana da autora e, se formos começar por algum lugar, que seja daí.

Considerado a maior revelação da literatura de suspense no Brasil, Montes traz em “Jantar Secreto” a história de um grupo de amigos que organiza jantares misteriosos. Preciso ler pra ontem, muita gente já me indicou!

Esse quem recomenda sou eu! Acabei de ler e estou muito impactada. Além da história ser instigante por si só (quem não lembra da tragédia que foi o assassinato misterioso da menina Nardoni?), o livro de Pagnan é altamente viciante e de narrativa explosiva. Leia!

Amo (quase) tudo o que a Colleen Hoover faz e este, mais recente dela, todo mundo está dizendo que está lindo. O projeto gráfico é realmente uma beleza, pelo o que já pude ver. Se você gosta de histórias de amor daquelas bem sofridas, eis a dica.

Esse aqui também faz anos que me indicam. É um young adult desses bonitinhos, leves, para ler no intervalo entre uma leitura mais pesada e outra. Preciso muito ler!

E essas são as minhas dicas. Já escolheu seu livro do mês para o #DLdoTigre? Conta pra mim!


Ok. E o que eu faço agora?

Busque um livro dentro das especificações mencionadas no post ou escolha um dos indicados! Após a leitura, publique nas redes sociais com a hashtag #DLdoTigre. Boa leitura!

Descobri o #DLdoTigre2018 agora, posso participar?

Mas é LÓGICO que você pode! Nosso Desafio Literário não tem entraves. Se quiser participar, é só postar o card oficial dos temas nas suas redes, usando a hash #DLdoTigre2018, escolher um livro e você está dentro! Aqui nesse post você encontra o tal card e todas as informações de que possa precisar.


Esse post faz parte do Desafio Literário do Tigre, uma iniciativa criada por mim para ajudar você a ler mais! Acompanhe todos os posts relacionados a esse desafio pela tag. Curta a fanpage do #DLdoTigre no Facebook. Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário neste post e responderei tão breve quanto possível.

Processo Criativo

Morning pages: ajudando a desbloquear sua escrita

Photo by Daria Shevtsova on Unsplash

Exercitando a criatividade e organizando pensamentos assim que o dia amanhece

Sempre carrego comigo, e uso como ferramentas de trabalho, vários caderninhos, blocos de anotações, diários e agenda. Mesmo assim, de uns tempos pra cá, passei a sentir falta de ter um espaço onde pudesse escrever livremente sem me preocupar com formato, tema ou com a própria estética do material.

A ideia das morning pages já vem rondando minhas redes faz tempo. Com o conceito simples de ser um tipo de diário onde você escreve todos os dias pela manhã, a prática sempre é indicada em blogs gringos que leio. Mas confesso que ainda achava meio complicado entender conceito e propósito, então ia deixando de lado. Até surgir esse post salvador de vidas da Maki, do blog Desancorando. Foi ali que eu realmente entendi como funciona e comecei a fazer o meu morning pages.

Mas afinal, o que é o morning pages?

Meu caderno de morning pages: três páginas por dia de exercício livre de escrita

Explicando de uma maneira bem resumida, nada mais é do que um caderno (ou algumas páginas do seu diário ou agenda que já estejam em uso) onde você vai escrever todos os dias pela manhã, assim que acorda. Assim, sem pensar muito, você acorda, senta na mesa e escreve três páginas. Sem elaborar, sem se questionar muito, sem tentar dar um sentido para aquilo. Só vai.

E qual a utilidade disso? Bom, muitas, e com certeza ao começar a prática você descobrirá como ela pode te ajudar. Você pode descobrir no morning pages uma maneira de acalmar a ansiedade ao já ir escrevendo o que quer fazer no dia, pode ser uma maneira de desabafar seus medos, registrar o que sonhou ou até mesmo apenas para treinar a sua letra!

Não existe um roteiro do que você precisa escrever e, nessas, você descobre o que realmente estava precisando desabafar, tirar da frente, insistir ou inventar. Não existe um “não escreva isso” ou “fale apenas disso”. A ideia é mesmo escrever tudo que vem à sua mente, desencadeando um processo de escrita por impulso que pode te levar a lugares que você nem imaginaria, criativamente falando.

E qual o motivo de serem exatamente três páginas por dia? Não existe uma explicação fechada para isso, mas baseado na minha experiência, acredito ser por que esse é um tamanho bom de texto para você “destravar” daquela timidez inicial, romper a barreira psicológica do “isso tá difícil, melhor desistir” e chegar ao ponto desejado do “ei, isso tá legal, olha que ideia incrível surgiu aqui!”.

Sabe na academia, onde os 30 minutos iniciais de exercício são os piores e os 30 últimos são maravilhosos? É meio nesse esquema — e a questão é que você não pode ter os minutos finais sem ter aqueles difíceis do início. Em três páginas, você se aquece e se solta para conseguir ir além em suas ideias.

Também por isso é importante escrever todos os dias, fazendo disso uma rotina e habituando seu cérebro a se exercitar assim cedinho.

Somado a todos os propósitos a que essa prática pode servir, existe uma motivação que eu considero primordial: ela não deixa de ser, em última instância, uma chance de você gastar um momento de pura contemplação apenas consigo mesma. Como em uma meditação escrita, são dez minutinhos ou mais que você gasta só com você, longe de outros estímulos, apenas em silêncio com seu papel e caneta. E ter momentos assim na rotina corrida da vida é muito importante para a nossa saúde mental.

Para mim, a prática do morning pages tem ajudado muito a desbloquear a minha escrita, e é por conta disso que a indico aqui. Não é que eu use o meu caderninho para propositalmente tentar imaginar histórias novas — até por que, nada é exatamente no propósito no morning pages — , o caso é que o simples fato de estar ali escrevendo sem medo e sem freios te dá uma coragem de inventar histórias depois, quando você realmente for fazer isso.

Sem contar que, ainda com o cérebro meio “devagar” de sono, escrevo frases que jamais imaginaria e elas me inspiram e me ajudam em histórias que acabo criando no decorrer do dia.

Para fazer o morning pages, peguei um caderno desses pequenos, de 96 páginas, que tinha aqui guardado, presente de uma amiga. Uso a primeira caneta que vejo pela frente e minha única concessão à customização é marcar os dias com post-it com certa antecedência, até para eu saber até onde devo escrever diariamente.

Meu ritual é acordar cedo, como sempre faço, ir ao banheiro e na saída, já sentar no meu escritório (eu trabalho de casa) e escrever. Às vezes nem a luz eu acendo, se a iluminação do dia já está boa. Procuro não pensar muito, apenas ir escrevendo, colando uma ideia na outra, rindo de mim mesma, desabafando ou inventando planos. E até o final da terceira página, já me sinto aquecida mentalmente para começar o dia e o trabalho.

E é só isso mesmo que você precisa para começar. Um caderno, uma caneta e disposição para escrever sem medo. Recomendo muito que você tente, é um exercício incrível, fácil, que pode te mostrar coisas sobre você que você jamais imaginaria.

Que tal começar amanhã cedinho?


Queria agradecer a Loma e a Maki pelo apoio para começar. E mais uma vez coloco aqui o link do post da Maki, que tem absolutamente tudo o que você precisa saber sobre o morning pages.

Dicas

Dica: minhas papelarias favoritas

Imagem: Death to Stock

Mais ou menos quase tudo que uso no meu bullet journal

Este momento chegou: senti a necessidade de fazer um post sobre as minhas papelarias favoritas. Colocando em lista, vi que não são tantas, mas são poucas e boas.

Gosto muito de andar pela Liberdade e ver as novidades, no entanto a verdade é que só compro mesmo em duas lojas (as duas primeiras listadas aqui). Todo o resto do meu consumo de papelaria é online mesmo. Aqui, as minhas favoritas tanto físicas quanto virtuais:

Fancy Goods — www.fancygoods.com.br

A Fancy Goods é daquelas lojas de presentes, com foco em papelaria também. Os adesivos e washitapes dela são os meus favoritos, eu juro que me falta ar quando eu entro lá. Toda a loja é muito fofa e as atendentes são muito simpáticas. Eles vendem online e entregam para todo o Brasil, mas se você tiver a oportunidade, sugiro que dê uma passada na loja para visitá-los. É tudo lindo demais. Fica na R. Galvão Bueno, 224.

Haikai Papelaria

A primeira coisa sobre a Haikai Papelaria é que você se sente muito espiã descobrindo a loja. Ela fica no subsolo do Shopping Trade Center, você desce uma escadinha sinistra e vai reto até o final do corredor para achá-la. Chegando lá, o paraíso! A loja é pequeninha e lotada de artigos de papelaria e material artístico. Eles têm um foco bem forte em canetas e canetinhas especiais, então lá eu gosto de comprar as minhas canetas Stabilo (não sei mais escrever com outras) e também ver o que tem de novidade nos adesivos. Você também encontra papel de origami de todo tipo (eu uso pra fazer fundo em algumas “artes” minhas no bujo). A Haikai é da mesma família da Fancy Goods, então pode esperar o mesmo atendimento simpático e fofo. Fica na Galvão Bueno, 17 e tem que descer as escadas, como disse. Eles não vendem online.

Clubinho do papel — http://clubinhodopapel.com.br/

O Clubinho do Papel não é exatamente uma loja, é um kit de assinatura mensal de itens de papelaria! Tá começando agora e, por isso, os kits estão super concorridos. São duas opções de kit (básico ou completo) que você pode escolher e receber em casa, custando no máximo 25 reais com frete já incluso. Os itens dos kits são surpresa, mas você já tem uma ideia da quantidade do que virá no seu pacotinho pelo descritivo presente no site. É muito legal porque é um jeito bem acessível (e divertido) de experimentar produtos novos na papelaria. O de novembro já foi, em 05 de dezembro abrem as vendas para o próximo kit do mês.

La Papeterie — http://www.lapapeterie.com.br/

Descobri a La Papeterie por sugestão do Instagram e fiquei transtornada. É tudo lindo demais no site deles, chega a ser ofensivo. Fiz um pedido de quase cem reais já na primeira compra (hihihihi) de tão apaixonada que fiquei. Quando recebi o pacote, o amor só aumentou: a qualidade dos produtos é de cair o queixo e o cuidado na embalagem é tudo na vida. Vem tudo embaladinho com folha de seda, vem perfumadinho, vem com bilhetinho… Sério, transborda amor. Deles eu comprei umas washitapes lindas, lindas, que não achei na Liberdade em lugar nenhum. Foi também o único lugar onde achei aquelas washi com dias da semana, sabe? Recomendo demais.

Estúdio Agridoce — https://www.elo7.com.br/estudioagridoce/loja

Essa também foi descoberta por sugestão do Instagram! A Estúdio Agridoce Papelaria tem uma pegada bem “compre de quem faz”, ela é hospedada no Elo 7 e os produtos são bem baratinhos. Foi das primeiras compras online de papelaria que fiz e gostei bastante. Com eles eu comprei adesivos, procure pelo álbum “Pra Quem Ama Papelaria” e vá à loucura.

Aff The Hype — https://affthehype.com/

Vamos falar de caderninhos? Mais uma sugestão do Instagram, veja como eu sou influenciável. A Aff The Hype tem poucos modelos, mas são tão lindos e especiais que vale a indicação. Eles são produzidos à mão, com todo o cuidado, e o pedido vem com cartinha e dedicatória, com todo o amor do mundo. Comprei dois caderninhos com eles e tô com dó de usar, claro.

Mini So Brasil — https://www.loveminiso.com.br/produtos-japoneses

A Mini So é tipo aquelas lojas Daiso de produtos japoneses e chegou recentemente ao Brasil com o firme propósito de nos enlouquecer. Eu gosto muito de comprar os caderninhos de lá, que são lindos e têm um preço RIDÍCULO de barato. O site deles é só para você ver o que tem, as vendas são feitas apenas em lojas físicas. Eu costumo ir na do Shopping Center 3, que fica na Avenida Paulista, 2064. O estoque é renovado diariamente, então sempre tem novidade.


Para quem me perguntou do caderno para bullet journal, eu uso aquele pontilhado (ou pontado) e comprei em uma outra papelaria na Liberdade que não vou recomendar porque voltei lá outro dia e uma vendedora foi mega grossa comigo. De todo modo, sei que esse tipo de caderno é feito pela Cícero também. O meu é da linha Papertalk da Ót!ma Gráfica, que tem loja virtual, que eu olhei aqui e é um tanto confusa… Na Fancy Goods eles também vendem a linha Papertalk, a questão é que esses cadernos pontilhados esgotam rápido, então tem que procurar bastante. Claro, que você pode usar qualquer caderno para fazer um bullet journal, é que quis explicar melhor sobre o meu.

Outra coisa que uso no meu bujo são fotinhas e imagens impressas em papel adesivo. Para isso, tenho uma HP Sprocket, uma impressorinha que cabe na palma da mão e é uma graça em tecnologia e praticidade. Falei dela com mais detalhes neste post para o blog Lomogracinha.

Por último, quero dizer que eu não estaria neste mundo do bullet journal sem o apoio da Michelli Nunes e sem a inspiração constante da Duds. Fazer bullet journal é algo incrível porque estimula a sua criatividade, te dá um propósito nos dias mais cinzas e, no fim, é um registro da sua vida.

Se você tiver qualquer dúvida sobre algo abordado neste post ou sobre bullet journal em geral, pode comentar aqui ou me procurar no Instagram que eu respondo como posso! Vamos levar a palavra do bullet journal adiante!